PORTFOLIO < PLANEAMENTO ESTRATÉGICO < PLANO DE DESENVOLVIMENTO DO NAMIBE
Plano de Desenvolvimento do Namibe



ELABORAÇÃO
Em parceria com a SINFIC, SA em 2005 - 2006
CLIENTE
Governo da Província do Namibe (Angola)

ENQUADRAMENTO DO PLANO
Localizada no extremo Sudoeste de Angola, a província do Namibe ocupa uma extensão considerável da costa angolana, entre a província de Benguela e a fronteira Norte
da Namíbia. Trata-se de um território onde o deserto marca forte presença, em particular na parte Sul da província, o que determina uma ocupação humana pouco significativa
e localizada sobretudo na zona costeira.
A rede de comunicações da província tem como elementos estruturantes o Porto
do Namibe, terceiro maior Porto de Angola, a Estrada Nacional 180, que estabelece
a ligação à Huíla, e o Caminho de Ferro de Moçamedes, com ligação às cidades
do Lubango (Huíla) e Menongue (Cuando Cubango) e com expansão prevista à Namibia.
O Plano de Desenvolvimento da Província do Namibe teve por objectivo a definição
de estratégias de combate à situação periférica da província, apostando na diversificação das actividades económicas e no fortalecimento dos sectores de referência, nomeada-
mente das actividades piscatórias e de transformação, no fortalecimento da actividade portuária da cidade do Namibe e do sector turístico alicerçado nas actividades de recreio
e balneares ligadas ao mar, e ao turismo de natureza ligado ao parque nacional do Iona e ao Deserto da Namibe.



Os estudos no âmbito urbanístico incidiram sobre duas vertentes: a rede urbana provincial e o património edificado. No primeiro caso foram analisados em maior profundidade
os centros urbanos do Namibe e Tombwa, principais aglomerados populacionais
da província, estabelecendo as premissas para um desenvolvimento mais equilibrado em função estimativas de crescimento.
Relativamente ao património edificado, os estudos abordaram essencialmente a cidade
do Namibe. Fundada em 1845, a cidade concentra um amplo espólio arquitectónico
e urbanístico impar no território angolano que apresenta já alguns sinais de degradação e mesmo de deformação devidos a intervenções recentes menos ponderadas.





O Plano aponta a necessidade de fazer uma inventariação criteriosa dos valores patrimoniais e consequentemente de iniciar processos de classificação e salvaguarda
dos mesmos, integrando estes processos numa estratégia que, para além do papel educativo e identitário, possa servir também para a dinamização de um turismo especializado de cariz cultural.

--
VOLTAR AO TOPO